terça-feira, 30 de dezembro de 2008

E agora, feliz ano novo, não é ?

Perú assado já foi, agora é champagne !

Excelente reveillon pra todo mundo. Muita paz, saúde, amor, sucesso, grana, games, gramática, burger king...e tudo de bom na passagem do ano !

Naturalmente, como quase todo o planeta vai fazer, a farra deve durar até o dia 4, domingão. As coisas só devem voltar aos eixos no dia 5, segundona, mas o trem, como todo ano, só volta a engrenar depois do carnaval.

O blog deve ficar de molho até o final dessa semana. Na volta tem mais !

Abrátzo

domingo, 28 de dezembro de 2008

Dá pra pedir pizza pelo Wii agora ! Mas só no Japão, e no primeiro semestre de 2009

Parece mentira, mas uma companhia japonesa chamada "Yume no Machi Sôzô linkai" disse que pretende implantar um sistema de pedidos e entregas de comida no segundo trimestre de 2009 no Wii ! Sério ! Mas só lá no Japão por enquanto.

A empresa já tem o seu próprio serviço online, o "Demae-kan", tradicional na internet nipônica. Agora, eles querem implantar esse mesmo serviço em um dos canais interativos do Wii, que já tem o News Channel, aquele que transmite notícias mundiais 24 horas por dia, todos os dias, e o Forecast Channel, que faz previsões climáticas. Isso sem falar que o console também acessa a internet via wi-fi. Agora, terá também um canal para pedir comida.

Caraca, esses japas têm um conforto invejável mesmo....imagina só, você tá lá navegando no Wii, tranqüilo...aí bate aquela fome fatale. Ah, deixa eu ver o que vou pedir hoje...é só dar uns cliques no Wiimote e pronto, dali a meia hora tem uma pizza na sua porta. Caçamba ! E o serviço tem opções em mais de 8 mil estabelecimentos, entre pizzas, sanduíches, a típica culinária nipônica (ah, temaki...) e até cardápio chinês.

Ouvi dizer que o canal vai contar também com serviços de redes internacionais famosas, como Pizza Hut e KFC. AH, NÃO ! Vou ter que ir pra lá. Vou ter que ir. Isso é simplesmente a minha cara. Aquele frangão de balde do KFC é insubstituível, e nem tem mais aqui no Brasil.

Bom, se for pra comer junkie-food fico com o Burger King mesmo...

Abrátzo

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Feliz Natal !

E muitos games ! Acho que o título já sintetiza.

Como eu já disse anteriormente, foi um ano muito bom que se encerrou com chave de platina para os games, apesar dos pesares (vide retrospectiva 2008).

A todos os queridos seguidores do meu blog, gamers, visitantes casuais, ardorosos gramáticos e leitores triviais : Feliz Natal ! Muito chester e perú assado pra vocês. Ah, e coca também.

O blog deve ficar um tempinho sem postagens novas, já que viajo na véspera e volto só no final da semana. Mais games e português para todo mundo depois.

Tudo de bão e até a volta !

Abrátzo

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Momento didático - a questão dos porquês (porque/porquê/por que/por quê) e do uso do termo "medíocre"

Essa é bem fácil, lição bem light, mas prega peças e não deixa de ser importante. Ainda mais porque alguns "porquês" pedem acento circunflexo, e isto pode dificultar a vida do mero escritor no momento crucial.

Existem quatro tipos de "porquês", empregados, em determinadas ocasiões, com ou sem acento. Tudo junto ou separado. Sim, existe aquela tese manjada em que deve-se usar o "por que", assim separado, quando se trata de uma pergunta; e o "porque", assim tudo junto, quando se trata de uma resposta ou afirmação. Mas não é só isso : existem algumas variantes aí no meio.

As quatro versões são "porque, porquê, por que, por quê". Como bem sabemos, "porque" é a conjunção causal ou explicativa. Veja : "não enfrentei o chefão porque estava fraco". É a forma natural e comum de se responder a alguma pergunta ou afirmar qualquer coisa. Nesta ocasião, sempre junto.

Mas existe o termo com acento, que é o "porquê", e isso ocorre quando ele está substantivado : "não entendi o porquê dessa matança". Perceberam o artigo "o" antecedendo "porquê" ? Pois é, justifica o acento. Sempre que vier antecedido do artigo "o" ou "um", leva acento ! Simples, não ?

Há também o "por que", aquele que usamos em frases interrogativas diretas ou indiretas. A direta é fácil : "por que você joga tanto videogame?". Tranqüilo, é o que aprendemos na infância. Mas o que pode passar batido é o uso do "por que" em perguntas indiretas, que muita gente confunde com afirmação : "eu gostaria de saber por que você decepa os inimigos". Viram só ? Não associem o ponto de interrogação ao "por que" separado, como único motivo para usá-lo, pois a pergunta indireta, aquela "lançada no ar", também vai com "por que". Outro exemplo : "não sei por que este jogo é tão difícil..."

Dica rápida : toda vez que você conseguir encaixar o termo "por que motivo", já sabe que deve ser separado. "Não sei por que motivo este jogo é tão difícil" ou "eu gostaria de saber por que motivo você decepa os inimigos". Com ou sem interrogação, é um questionamento, e não uma afirmação. Deve ficar separado.

Aí tem a versão acentuada, o "por quê", que só ganha este circunflexo se estiver no fim da frase : "Parou por quê?". Mais um : "Você dizimou todos os civis e não deu conta do Cerberus. Por quê?"

Para não ficar medíocre, é melhor aplicarmos essas regras. Ah, aliás, muito cuidado com este termo : hoje em dia, tem carga pejorativa. Um desempenho medíocre não é mais um desempenho mediano, e sim um desempenho ridículo, abaixo da média. Portanto, evitem substituir o termo "mediano" ou "razoável" por "medíocre", pois não são mais sinônimos.

"Medíocre" é como a própria sonorização da palavra sugere : é algo tosco, ruim, totalmente abaixo das expectativas. Evitem, a menos que queiram humilhar o ouvinte.

Mas aí a elegância vai pro saco.

Abrátzo

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Agradecimentos [2]

Venho através deste post para novamente vos agradecer pelo interesse em visitar o meu blog.

Não vou citar nomes e/ou alcunhas de pessoas específicas, porque todos são importantes. Cada um que clica no link do meu blog por aí ou amigos que lêem com freqüência fazem a diferença, afinal, o ibope é essencial. E vocês fazem isso !

Nesta quinta-feira devo postar mais um momento didático a pedidos. Só não o faço agora porque ainda tenho que me aventurar pela selva barbada que se encontra no meu rosto e se estende até o pescoço. A missão é serrar tudo, e isso toma um tempo danado. Às vezes, mais do que uma hora. Depende das condições.

Mais uma vez, obrigado a tooodos e continuem visitando !

Games, games, gramática, games, games, games, gramática, clientes, games, games...

Abrátzo

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Retrospectiva 2008

Foi um ano com muitas novidades que alavancaram o mercado de games, e outros feitos não tão relevantes ou que desapontaram um pouco pela falta de grandiosidade, que foi o caso da feira E3, considerada outrora como a maior do mundo, mas que, de uns anos pra cá, adotou um padrão mais contido e restrito. No entanto, segundo os organizadores da feira e das softhouses, ela deve voltar ao formato "mega-ultra grandiosa e maior feira de games do mundo" no ano que vem.

Games bons não faltaram. Deu pra encher a bandeja do Xbox 360, do PS3 e do Wii à vontade. Os candidatos a jogo do ano estão aí, e os mais fortes são Metal Gear Solid 4, Gears of War 2, Call of Duty 5 (World at War), Fable 2, Fallout 3, GTA IV e LittleBigPlanet, este último uma ótima surpresa da Sony, exclusivo para o PS3, que mostra que boas idéias não precisam ser desperdiçadas em decorrência do tiroteio sanguinolento que domina todos os outros gêneros. O principal : o game mostra que sempre há criatividade para coisas novas que ainda não vimos, sempre existem saídas que tornam um game único e cheio de idéias interessantes sem utilizar tripas e cabeças degoladas para agradar. O jogo é um criador de plataformas que tem uma sólida jogabilidade, com personagens carismáticos e várias tiradas engraçadas. É jogar pra ver.

Alguns acessórios marcaram época também. É o caso do Wii Fit, que atraiu gerações de todos os tipos, gente de todas as idades e públicos de todos os gostos. A procura pelo dito cujo fez as vendas do Wii aumentarem significativamente, em escala mundial. Sem falar que a popularidade do console da Nintendo triplica a cada dia, tanto pelos acessórios interativos quanto pela variedade casual de games. Fazer ginástica no meio da sala, jogando videogame, é algo que poucos conseguiram inventar com tanta astúcia.

E olha, vocês me conhecem, sabem que gosto de todos os consoles, não puxo o saco de um e nem de outro. Apenas estou relatando o que vejo se refletir diariamente nas vendas. Crianças, velhinhos, pessoas que nunca ligaram pra games...se apaixonaram pelo Wii Fit e pelas funcionalidades do Wii. Fazer ioga, esquiar, correr, jogar boliche, praticar boxe, baseball...com tanta fidelidade ao universo real, o nosso, foi um feito sem precedentes da Nintendo. E isso se reflete nas vendas : o Wii praticamente atropela a concorrência há mais de ano já.

Ano bom para o Xbox 360 também, principalmente por causa do New Xbox Experience, ou, em outras palavras, graças à nova interface de navegação do console, que agora ficou totalmente tridimensional e nos agraciou com os famosos avatares, aqueles bonecos que você cria com a sua fisionomia. Além disso, ficou possível gravar os jogos no HD (finalmente!) a fim de preservar a vida útil do canhão de leitura dos jogos, que fazia aquele "vvvuuuuuu" bem chato quando estávamos jogando. E isso evita também o superaquecimento, já que a mídia fica paradinha ali na bandeja. O console fica quietinho, silencioso, é bem melhor. Nem preciso dizer que Gears of War 2 é praticamente motivo de compra do Xbox 360 e alavancou um bocado as vendas do console. Ah, tem mais uma coisa importante : agora dá pra abrir uma sala de chat com até 8 pessoas. Antes, só duas pessoas conseguiam conversar ao mesmo tempo. Agora são oito simultaneamente !

O PS3 continua lutando para ganhar mais credibilidade no mercado e atacou com exclusividades como LittleBigPlanet, que foi muito bem recebido e é fortíssimo candidato a jogo do ano, e Resistance 2, que já levou um 9,5 no IGN e consagrou o shooter como um dos melhores desta geração. Você só o encontra no PS3. Aderindo às tendências do mercado, o PS3 inaugurou recentemente o "Playstation Home", uma espécie de comunidade virtual à base de avatares, onde é possível personalizar seu boneco, levá-lo ao cinema para assistir trailers de jogos (de verdade!), além de poder jogar minigames de boliche, sinuca etc. Tudo num salão de jogos, como se fosse uma "cidadezinha" virtual mesmo. Ah, detalhe : a novidade é totalmente gratuita. A Sony só cobrará por possíveis acessórios e roupas que devem surgir subseqüentemente, mas, por enquanto, é tudo de graça.

Os portáteis continuam bem, obrigado. O Nintendo DS ganhou uma atualização recentemente no Japão, com previsão para 2009 no Ocidente, que é o Nintendo DSi, um novo formato do portátil que agora tem como adicional duas minicâmeras e entrada para cartão de memória SD, permitindo o download de softwares para o portátil. Ainda é novidade, mas sabe-se que será possível navegar em uma lojinha virtual da própria Nintendo para adquirir jogos, trailers, imagens, entre outros, tal qual uma Apple Store do iPhone.

O PSP também ganhou um update com o novo modelo denominado PSP-3000, que agora traz uma tela com melhor qualidade de imagem e tecnologia anti-reflexo para melhorar a visualização em ambientes mais claros. Além disso, o tempo de resposta está menor, com 2 ms. Ótimo. A única crítica fica por conta da duração da bateria, que diminuiu um pouco por causa da melhoria na capacidade de mostrar mais cores. Ah, e tem microfone embutido. Pequenas coisas que podem fazer grandes diferenças, aquela velha história.

Bem, o PC acho que dispensa comentários, já que continua muitíssimo bem, principalmente no Brasil, em que os games lançados têm outra taxação de impostos, a mesma que os games para consoles deveriam ter. Tudo para PC é mais barato por aqui. Tem lançamento que chega a custar 59,90, que foi o caso de Crysis Warhead, um dos games que sempre estão no Top 10 dos mais vendidos. O anúncio de Diablo 3 deixou os fãs com brilho de ansiedade nos olhos. Teve a conferência da Nvidia no começo do segundo semestre na Califórnia, a NVISION 08, inédita, que fez apresentações explorando o potencial de GPUs, placas de vídeo etc. E a tendência é só melhorar.

Os jogos third-parties não podem deixar de ser citados, que é o caso do novo Prince of Persia, Far Cry 2, Midnight Club : Los Angeles, Mirror's Edge e o novo game da Lara Croft, Tomb Raider : Underworld, entre outros. Tivemos o retorno da dupla Banjo e Kazooie num game da Rare não tão marcante quanto o primeiro, mas bastante competente para o Xbox 360. A EA se destacou no gênero do terror com o ótimo Dead Space, que veio para ficar e já tem seqüência confirmada. Bem, acho que nem preciso falar de GTA IV, que, na minha opinião, deve ser o jogo do ano. É o mais imersivo, grandioso, longevo. E olha que sou fissurado por Metal Gear, outro que deve ficar entre os primeiros, mas GTA IV atende mais aos quesitos da taça. Vamos ver, porque tem LittleBigPlanet, que faz o típico "jogo-família". Pode ser que não seja nenhum destes também. É aguardar para saber o veredicto.

Ah, antes de terminar, não posso me esquecer do anúncio do Zeebo da Tectoy, console 100% nacional (fabricado na Zona Franca de Manaus) que deve ser lançado no meio do ano que vem e pretende competir com o PS2. Ele será um videogame DO BRASIL comercializado no mundo inteiro. Para quem não sabe, a premissa do console é não usar mídias físicas para jogar, e sim baixar jogos numa rede 3G proprietária, a ZeeboNet3G, em parceria com a Claro. Tudo será armazenado no HD do console. Vamos aguardar !

No mais, fazendo um balanço geral, foi um ano com riquíssimas novidades e novas franquias muito bem-vindas, tal qual em 2007. Parece que um ano é melhor que o outro. Tem game para todos os gostos : é só juntar uma grana, entrar e escolher o que mais te agrada.

Como eu sempre digo : é divertido demais para economizar.

Abrátzo

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

25 Wiis vendidos para uma única cliente...vai ficar pra história. Pagamento? À vista

Exatamente, meus caros. Nem eu acreditei na venda, que foi feita por outro gamer (também). Grande Dani.

A cliente - gente fina, como tudo conspira - perguntou se era possível adquirir 25 peças a serem enviadas para Recife. Nem perguntamos o porquê, apenas fomos atrás dessa quantidade solicitada, que nem tinha no estoque. Para ser mais preciso, apenas 9 Wiis estavam estocados no depósito. O jeito foi pedir uma transferência de outras filiais com uma certa urgência para não perder a venda.

E é claro que a moça pediu desconto, nada mais justo. Desta vez, nem tiro a razão. Pô, como todos bem sabem, o preço do Wii em revendas oficiais é de R$ 1.999,00. Logo, esse valor multiplicado por 25 peças...é, dá um valor beeem alto. Deu pra negociar o trâmite e todo mundo ficou feliz.

Ah, o valor da compra foi depositado mesmo. Sim, pra quê cartão ? Depósito direto do valor total, opção da cliente. Yes, à vista.

O promotor da Nintendo que fica na loja demonstrando o Wii pirou. Ele já havia falado sobre o Wii Fit com a cliente, que acabou comprando essa quantidade de consoles depois. Aliás, ele estava praticando ioga quando ficou sabendo que a venda foi de fato concretizada. Ficou tão eufórico que perdeu na hora, mas, em compensação, bateu o recorde naquele de fazer flexão, tamanha a empolgação. Afinal, depois dessa, o cara tá com o filme produzido. Me disse que quando contou ao supervisor, este teve orgasmos platônicos também. Merece uma promoção !

"Vai ficar pra história", foi o que o supervisor dele disse. Daí o trecho da frase que intitula esta postagem.

Nem dá pra acreditar que é tudo verídico...

Abrátzo

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Tá certo que somos "alienados"...mas quando essa crise global ameaça a integridade dos games, preocupa !

Foi a notícia bombástica de que a Sony demitiu 8.000 funcionários das suas instalações no Japão que me causou enorme preocupação e me indagou com a cabalística : até que ponto essa crise global financeira pode atingir a fortaleza dos games ?

A demissão em massa foi feita em decorrência dessa crise, oras. Palavras de um executivo da Sony. Antes fosse Ken Kutaragi, aquele meio arrogante que ninguém gosta muito, ex-presidente da Sony. Não tenho nada contra ele, que sempre adorava exibir o PS3 afirmando que o console é superior a todos os outros e será o vencedor desta geração. Com a situação atual da Sony e a chuva de ácido da crise, é um feito difícil perante os fatos e o sucesso mundial do Wii, cada vez mais crescente. Sem falar no 360, que cada vez mais ganha notoriedade entre os orientais.

Os caras da Sony declararam que querem cortar gastos diminuindo planos de investimento que não dão mais frutos e desativar negócios que não estejam mais em andamento. É economizar mesmo...tanto porque as ações estão instáveis quanto porque o crédito está baixo. São tempos difíceis mesmo. Época de vacas magras. Momento de tensão, calafrios e medo. Já até falaram em fim do mundo.

Creio que essa maracutaia deva afetar as divisões de entretenimento da Sony, é algo subseqüente à crise. E isso inclui a família Playstation e o portátil PSP, agora, até onde, ninguém sabe. A Sony apenas afirmou que pretende "se adaptar ao ambiente de negócios", mas as coisas não vão lá muito bem.

Vamos torcer para que nada grave chegue aos nossos consoles. Ou torcer para que algo simplesmente chegue, e não deixe de chegar.

É como dizem : se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. E a crise está exatamente assim.

Abrátzo

domingo, 7 de dezembro de 2008

Banjo-Kazooie, um clássico do N64 disponível na Live

Ahh, como fiquei feliz quando me conectei à Live e entrei na seção Arcade para verificar as novidades e me deparei com...Banjo-Kazooie ! Apesar do adiamento, a Microsoft e a Rare cumpriram o prometido e disponibilizaram, no dia 3 de dezembro, este inesquecível game que se tornou uma franquia e ajudou a construir o legado da Rare, que agora pertence à Microsoft.

Como todos sabem, o Banjo que acabou de sair, este produzido pela Rare da Microsoft, e não da Nintendo, se destaca pelo uso de automotivos para a locomoção do urso e da ave. Causou estranhamento no início, mas a mecânica funciona : dá pra montar avião, lancha, jipe...e tudo que for possível com as parafernálias utilizadas para tal montagem, encontradas nos gigantescos mundos do game. São tão "gigantescos" que os automóveis se tornam necessários para a exploração minuciosa de cada fase.

É tudo de bom, mas não supera o original neeeem de longe. O Banjo do N64 é marcante justamente pela sua simplicidade : coletar peças de quebra-cabeça nos mundos fofinhos do estilo único e marcante da Rare A PÉ, explorando tim tim por tim tim, é algo difícil de se plagiar nos dias de hoje. Sem falar no fator "vício", que te deixava preso por horas a fio vasculhando cada cantinho dos mundos em busca dos Jinjos, das notas musicais, das caveiras...

Nem hesitei em desembolsar 1.200 MS Points para adquirir esta pérola. Para quem não é da época, fica aqui minha recomendação : não percam esta oportunidade e baixem o Banjo-Kazooie. Aí, depois que terminarem o game, partam para o novo Banjo, o Nuts & Bolts. Vocês vão entender por que o antigo Banjo é melhor.

Abrátzo

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Jogo de Wii que ninguém nunca ouviu falar leva nota máxima na Famitsu

Aquela consagrada revista de games japonesa, a "Famitsu", famosa por sua exigência em relação aos games e temida por suas análises, deu nota máxima a um jogo recém-lançado pela Sega para Wii, intitulado "428 ~Fuusa Sareta Shibuya de~", produzido pela Chunsoft (???). Não me arrisco a pronunciar isso aí não...

Peguei este nome no site que divulgou a notícia (www.outerspace.com.br), e o propósito do game me chamou a atenção. Na verdade, despertou a curiosidade : o jogo é um "adventure" desenvolvido integralmente em trechos filmados, ou seja, tudo que você vê são pessoas de verdade, rostos humanos, animais reais, como se o game fosse um filme interativo. Nada é virtual ou poligonal.

O estilinho do jogo é bem nipônico mesmo, coisa difícil de se vender aqui pelo ocidente. Porém, com essa repercussão positivíssima da Famitsu, é possível que a Sega mude de idéia e pense em lançar o game por essas terras, já que ele ainda está restrito somente ao Japão.

Sei que a Famitsu é um dos veículos de games mais respeitados do mundo, e deu nota máxima a pouquíssimos jogos. De cabeça, me lembro que "Zelda : Ocarina of Time", "Final Fantasy XII" e "Nintendogs" foram alguns dos privilegiados, mas tem mais. A avaliação é feita por quatro analistas que dão uma nota de zero a dez, totalizando 40 pontos no veredicto final. "428 ~Fuusa Sareta Shibuya de~" levou os 40.

Pelo que li, o game coloca o jogador na pele de um detetive, uma escritora freelancer, um gato-mascote e mais alguns outros personagens no distrito de Shibuya, em Tóquio. Parece que o enredo foi o estopim para a nota máxima, já que o game deve envolver o jogador tal qual um filme o faz.

É, tô curioso pra ver. Com essa nota, provavelmente a Sega vai lançar por aqui. Ela não seria cega de não fazer isso...


Abrátzo

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Prince of Persia renovado

Depois da saga "Sands of Time", a franquia "Prince of Persia", revitalizada pela francesa Ubisoft, passa por mais uma metamorfose. E a tendência é só melhorar, a exemplo da recente trilogia do príncipe das arábias.

Parece que os gráficos em cel-shading (aqueles que lembram desenhos animados ou estilos em HQ) estão se tornando um padrão quando o veredicto pretendido é o game em forma de arte, com design inovador e cenários profundos, além de ter um quê cartunesco.

A história iniciada em "Sands of Time" teve um começo, meio e fim com desfecho conclusivo, e não aberto ou cheio de ganchos para eventuais continuações. A trilogia recente apresentou as principais características que consagraram aquele Prince of Persia beeem antigo, jogado através do MS-DOS, ou seja, era cheia de espinhos brotando do chão, pulos mirabolantes e ação com espadas.

Depois que a Ubisoft anunciou este novo Prince of Persia - que não tem subtítulo - todos ficaram receosos, já que a saga recente foi bem conduzida. Seria difícil fazer algo melhor ainda, não seria ? Parece que não, ainda mais depois dos trailers exibidos até agora.

O game, que chegou nesta terça (02/12) às prateleiras norte-americanas, tem batalhas "profundas" e gráficos surpreendentes, que lembram "Okami", o clássico contemporâneo em forma de arte. O enredo é absolutamente inédito e não há referências ao antigo príncipe até agora. O novo protagonista conta com a ajuda de uma companheira que ainda desconhecemos, além de uma espécie de luva que funciona como uma garra, talvez para ajudar nos trechos acrobáticos do herói.

É esperar para ver. Acho que a repercussão será positiva. Fiquem com este vídeo de divulgação do game, exibido logo após o seu anúncio.

video