sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Momento didático - a questão dos porquês (porque/porquê/por que/por quê) e do uso do termo "medíocre"

Essa é bem fácil, lição bem light, mas prega peças e não deixa de ser importante. Ainda mais porque alguns "porquês" pedem acento circunflexo, e isto pode dificultar a vida do mero escritor no momento crucial.

Existem quatro tipos de "porquês", empregados, em determinadas ocasiões, com ou sem acento. Tudo junto ou separado. Sim, existe aquela tese manjada em que deve-se usar o "por que", assim separado, quando se trata de uma pergunta; e o "porque", assim tudo junto, quando se trata de uma resposta ou afirmação. Mas não é só isso : existem algumas variantes aí no meio.

As quatro versões são "porque, porquê, por que, por quê". Como bem sabemos, "porque" é a conjunção causal ou explicativa. Veja : "não enfrentei o chefão porque estava fraco". É a forma natural e comum de se responder a alguma pergunta ou afirmar qualquer coisa. Nesta ocasião, sempre junto.

Mas existe o termo com acento, que é o "porquê", e isso ocorre quando ele está substantivado : "não entendi o porquê dessa matança". Perceberam o artigo "o" antecedendo "porquê" ? Pois é, justifica o acento. Sempre que vier antecedido do artigo "o" ou "um", leva acento ! Simples, não ?

Há também o "por que", aquele que usamos em frases interrogativas diretas ou indiretas. A direta é fácil : "por que você joga tanto videogame?". Tranqüilo, é o que aprendemos na infância. Mas o que pode passar batido é o uso do "por que" em perguntas indiretas, que muita gente confunde com afirmação : "eu gostaria de saber por que você decepa os inimigos". Viram só ? Não associem o ponto de interrogação ao "por que" separado, como único motivo para usá-lo, pois a pergunta indireta, aquela "lançada no ar", também vai com "por que". Outro exemplo : "não sei por que este jogo é tão difícil..."

Dica rápida : toda vez que você conseguir encaixar o termo "por que motivo", já sabe que deve ser separado. "Não sei por que motivo este jogo é tão difícil" ou "eu gostaria de saber por que motivo você decepa os inimigos". Com ou sem interrogação, é um questionamento, e não uma afirmação. Deve ficar separado.

Aí tem a versão acentuada, o "por quê", que só ganha este circunflexo se estiver no fim da frase : "Parou por quê?". Mais um : "Você dizimou todos os civis e não deu conta do Cerberus. Por quê?"

Para não ficar medíocre, é melhor aplicarmos essas regras. Ah, aliás, muito cuidado com este termo : hoje em dia, tem carga pejorativa. Um desempenho medíocre não é mais um desempenho mediano, e sim um desempenho ridículo, abaixo da média. Portanto, evitem substituir o termo "mediano" ou "razoável" por "medíocre", pois não são mais sinônimos.

"Medíocre" é como a própria sonorização da palavra sugere : é algo tosco, ruim, totalmente abaixo das expectativas. Evitem, a menos que queiram humilhar o ouvinte.

Mas aí a elegância vai pro saco.

Abrátzo

4 comentários:

Guilherme Giuntini disse...

realmente está do porque é fods mesmo.. enrola td na cabeça ahuauhhua.. nunca se sabe oq por.. mas sussa, é pra isso que serve o google ahuauhahuahuhua

flw brands..

Galeano disse...

Nossa Brunêra, carlaheow...eu usava desse jeito mas num lembrava do lance dos acentos...rssrs lembrança boa e belo toque brother..c viu a tese do Pasquale ? Pro português popular ? Dps te mando q vc vai curtir...valêu

Grande abraço

Rafael Grilo disse...

hahahaha fodástico!

Adonis kill disse...

Punhaaaaaaaaaa

e ai bronhaaaaaaaaaaaa, cara, eu me indagava sobre o uso dos porquês esses dias. Aprendi na escola, relembrei num curso que fiz pra policia e depois esqueci novamente rsrsrsr

Aliás espero ter usado corretamente o porquê acima, creio que seja substantivado mesmo sem o artigo, porque me lembro de um professor meu dizendo que "Nem Sempre" o porquê substantivo vem antecedido de o, tem suas exceções, lembro até que ele me corrigiu quando eu disse sobre o modo fácil de reconhecer o porquê substantivo reparando apenas no artigo. Mas enfim, mandou muito bem, como sempre.

PS: Atrase-se hoje e sofrerá as consequências... porque não sou nem um pouco paciente.