quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Jogos infantis ? Tipo Caça-pistas ? Coelho sabido ? Baahh

É impressionante o legado que o Coelho Sabido tem. Todo mundo no trampo vem me pedir. "Ai, não gosto de comprar esses joguinhos de 'matar' para o meu filho. De jeito nenhum. Cadê o jogo do Coelho Sabido?"

Ai. O que mais me interroga é que eu dilacero corpos e atropelo pessoas em jogos desde pequeno. Desde que eu me lembro. Experimentei meu primeiro GTA - ainda para o finado play 1 - em meados dos meus 9 - 11 anos de idade e fazia as piores atrocidades espetaculosas no game. Apesar da visão aérea e dos gráficos pixelizados, era possível enxergar a matança de pedestres ou a explosão de carros nas ruas. E era justamente este o fator determinante para a diversão pretendida.

Mas voltando ao que me interroga. É que sempre fiz tudo isso nos games e hoje não sou um assassino de aluguel tampouco um maluco que sai por aí atropelando todo mundo na calçada. Meu lado maluco é voltado a games, gramática, super-heróis e afins, além de outras coisas "normais", maluquices que todos têm. Vai depender da educação do papai se o fulano será influenciado pelo jogo ou não. Não depende do jogo. Nunca. Isso é besteira. É papinho de advogado norte-americano reacionário. É balela de quem quer achar desculpa para "não deixar o filho 'viciado nessas coisas eletrônicas' aí".

Nunca me restringiram a nada. Se existir o medo da influência, fique ao lado do moleque explicando que isso é isso e aquilo é aquilo no jogo. Se bem que nunca fizeram nada disso comigo (e com tantos outros gamers que conheço) . É simplesmente intuitivo saber assimilar o que é certo e o que é errado fazer nos games, afinal de contas, a educação que recebemos em casa - no dia-a-dia - constrói nosso caráter e nos dá o senso da razão para tudo, inclusive para a relação games/realidade.

Tem coisa mais divertida do que decepar um Locust com a serra elétrica da arma Lancer em Gears of War ? Ou pegar um Blista Compact e fazer panqueca de transeuntes nas calçadas de GTA 4 ? É tudo alívio imediato para o "stress" ! Parece insano, mas é divertido. Aí é que está o paradoxo : parece que quanto maior o teor de violência/insanidade/coisas-impossíveis-de-se-fazer-na-vida-real, mais divertida a coisa fica. São coisas que qualquer ser humano de bom senso sabe diferenciar na vida real.

É como escrevi num artigo que foi publicado na EGM PC em janeiro de 2007, num trecho em que uma cliente veio me perguntar sobre o "GTA : San Andreas" : "(...) mas esse não é aquele que você mata gente na rua ? Será que não é violento demais para meu filho de nove anos ?"

Para não dar corda, eu apelo : "que nada, o mais divertido é pegar um taco de golfe e dar na cabeça das velhinhas".

Aí ela foi lá na prateleira dos jogos infantis pegar um Coelho Sabido qualquer. Eu também fui olhar depois, por curiosidade. "Deixa eu ver o tal do Coelho Sabido", pensei. Pego a caixa, viro, leio tudo e não consigo filtrar a graça nem a diversão, muito menos o incentivo para algo. E no mesmo momento me lembro que hoje, com 21 anos, eu penso que nunca achei graça naquilo, muito menos joguei. Nem quando pequeno, nem há 15 anos atrás, nem nunca.


Ainda bem, porque não sei em que ponto o software diverte. Sim, "software". Isto não é jogo.


Se alguém souber o tal ponto, por favor, me fale.



Abrátzo

5 comentários:

Wolf disse...

uahuhauhahahahu
Concordo plenamente....
Kra eu jogava Mortal Komabt pra Master System desde os 5 anos de idade e nunca dei um fatality em ninguem huahuahuauhauhahahau
Jogo educativo o kct, a pessoa sabe uq eh certo e uq eh errado, não vem bota a culpa em game, filme etc....

Abraço brunão, ta de parabens ae!

Guilherme disse...

Eu so consegui dar fatality com o scorpions no master ahuahuhau.. nao existe jogo educativo bom.. game bom só do furby..

flws brandao..

Adonis kill disse...

hey hey, acho que esse é o tópico chave para o Brasil de hoje, com tanto politico mal informado, ou mal intensionado, querendo apenas voto ao ludibriar os pais que esses jogos fazem mal ao carater do individuo, fazendo isso talvez ele receba algum votinho de uma mente parecida com a dele, mente fraca.
Talvez os pais extremamente super protetores achem que esse "politico diferente" esta de certa forma cuidando do bem estar de nossas crianças hehe.
não posso culpar um ignorante de fazer seu papel nesse pais/mundo sordido.

deixe-me terminar dizendo: Eu adoro sangue, adoro ver tripa voando, adoro serrar com minha lancer, adoro estourar cabeças com Minha Barrett e ver aquele sangue escorrendo na parede mais proxima, adoro meu sabre de luz usado para o mau. Mas não se esqueçam, adoro tudo isso virtualmente, tenho sede de sangue virtual, e advinhem: não estou preso, nunca matei ninguem e não pretendo matar. Bem, creio que isso me coloque no patamar de "cidadão normal"

Eongwera disse...

Concordo plenamente, contudo não se esqueça que o dinheiro esta envolvido nisso tambem. R$ 200,00 reais no jogo de matar pessoas ou R$ 15,00 no "software" para crianças. Pessoas buscam segurança e não gastar dinheiro a toa é uma forma de proteção. Para mudar essa cena, so mesmo concientização !!!

Jorge "Pakkii" Polo disse...

Muito bom, cara!

Concordo plenamente: educação e princípios vêm de casa. E jogos não poderiam ser considerados como catalisadores pois não são os únicos a mostrarem a violência. Tudo pode servir de inspiração à violência, se uma pessoa tem problemas psicológicos.

Eu tava discutindo esse negócio de educação em casa, criação, com um amigo meu dia desses. Acho que é o mesmo com drogas. É uma tentação muito grande a muitos jovens, é claro. Mas uma educação boa (eu não sei explicar direito, é um tipo de conscientização de valores familiares diferentes) pode definir várias coisas nesse sentido. Não é sobre educação religiosa, nem nada assim. É um tipo de educação de afeto, não sei.

Bom, esse assunto rende bastante. Até onde vai a "culpa" dos pais, etc. hehehe

Mas cara, parabéns! O blog tá muito legal!